Google acusada de práticas ilegais por 23 associações dos EUA

Associações norte-americanas acusaram hoje o YouTube e a empresa Google, detentora daquele site de partilha de vídeos, de recolher dados pessoais de crianças e de os utilizar para direcionar os anúncios de publicidade, que consideram práticas ilegais.
Vinte e três organizações de defesa dos direitos digitais e de proteção da infância apresentaram uma queixa junto do regulador norte-americano do comércio, na qual pedem que investigue estas práticas.

Segundo as associações, a Google recolhe as informações pessoais de menores no YouTube, apesar de este 'site' estar oficialmente proibido a menores de 13 anos, incluindo a sua localização, o equipamento utilizado ou os contactos telefónicos de telemóvel.

"A Google arrecada estas informações sem informar previamente os pais, utilizando-as para direcionar a publicidade para crianças em toda a Internet", afirmam as associações.

Segundo, Josh Golin, da campanha para uma infância sem publicidade, uma das organizações que subscreveu o pedido de investigação, "há anos que a Google abandonou a sua responsabilidade para com as crianças e famílias, alegando, erroneamente, que o YouTube -- um site cheio de desenhos animados e publicidade de brinquedos - não é para crianças".

"A empresa Google obtém lucros gigantescos com os anúncios publicitários para crianças e deve respeitar a COPPA", a lei norte-americana de proteção da privacidade das crianças na Internet, adiantou Josh Golin.

As associações consideram que as práticas da Google contrariam esta lei, de 1998, que proíbe sites destinados a crianças ou que se sabe que estas os utilizam de recolher e usar tais informações sem acordo dos respetivos pais".

Contactada pela agência France Press, um porta-voz da empresa referiu que o grupo ainda não teve conhecimento da queixa, que ainda não tinham conhecimento da queixa, mas garantiu que proteger as crianças e as famílias é uma prioridade".

"Como o YouTube não é para crianças, investimos de uma forma significativa para criar a aplicação YouTube Kids, que propõe uma alternativa especialmente destinada às crianças", realçou o porta-voz.

A queixa surge nua altura de desconfiança relacionada com a gestão de dados pessoais na Internet, em particular pelo Facebook, na sequência do escândalo da Cambridge Analytica.

O Facebook admitiu a semana passada à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica.

Dois dias antes, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, revelou que um total de 87 milhões de utilizadores da rede social terá sido afetado.

YouTube pronto para deixar algoritmos de lado

A versão para crianças da aplicação terá vídeos escolhidos manualmente pela equipa de curadoria da plataforma.
Uma das críticas que mais recorrentemente tem sido apontada ao YouTube está relacionada com a forma como vídeos impróprios têm surgido na versão para crianças da aplicação para dispositivos móveis, a YouTube Kids.

Pois bem, comprometido em não repetir este tipo de situações, diz o BuzzFeedo YouTube anunciou que apostará numa equipa de curadoria para escolher manualmente os vídeos que surgem nesta versão da aplicação. Desta forma, são colocados de lado os algoritmos que a tecnológica usava anteriormente para fazer este trabalho.

A ideia é dar os pais a opção de escolher entre a versão com vídeos escolhidos pelos algoritmos ou pela equipa de colaboradores, uma decisão que é assim remetida para os próprios utilizadores.

Um dos jogos mais populares do ano já está disponível para iPhone e iPad

A Epic Games confirmou ainda os dispositivos móveis da Apple que conseguem aguentar o jogo.

Fortnite’ e em especial o seu modo ‘battle royale’ atingiram no primeiro trimestre do ano um sucesso ímpar, colocando o mais recente jogo da Epic Games (‘Unreal Tournament’, ‘Gears of War’) entre as grandes sensações dos youtubers, streamers e jogadores fãs de partidas online.

Pois bem, este sucesso está prestes a atingir outras proporções com o lançamento global na App Store da Apple. O jogo fica assim disponível tanto para iPhone como para iPad, com a Epic Games a notar que apenas é compatível com o iPhone SE, o iPhone 6s, o iPhone 7, o iPhone 8, o iPhone X, o iPad Mini, iPad Air 2 e o iPad (2017).

Como refere o Business Insider, o jogo é gratuito e, apesar de neste momento ser um exclusivo iOS, terá direito nos próximos meses a uma versão Android.

NASA coloca hipótese de existência de vida em Vénus

Manchas negras nas nuvens do planeta apontam para a possibilidade de vida microbiana.
Um estudo publicado pela NASA coloca a hipótese de Vénus apresentar sinais de vida, mais precisamente as nuvens que conseguem ser observadas na superfície do planeta, conta o Mirror.

“As nossas análises comparativas apoiam hipóteses mistas que biologia do tipo terrestre possa sobreviver e contribuir para os sinais espectrais das nuvens de Vénus. Para testar as ideias aqui presentes, propomos a necessidade de um estudo químico, bioquímico e microbiológico integrado focado na sobrevivência e espectroscopia de micro-organismos sujeitos às condições das nuvens de Vénus”, pode ler-se no estudo.

Será então necessário recolher amostras da atmosfera de Vénus para sustentar as hipóteses levantadas por este estudo, que aponta para a possibilidade apenas na atmosfera e não à superfície onde a temperatura ronda os 462 graus Celsius.

Macron diz que Facebook e Google poderão ter que ser desmantelados

Presidente de França não repudia as grandes tecnológicas mas avisa sobre o seu crescimento galopante.

PROGRAMAÇÃO DE TV

Câmbio do Dia

Moeda Compra Venda
EUR 71.96 73.40
USD 59.10 60.28
ZAR 4.75 4.85
Fonte: BCI, 26 de Abril de 2018

Telefones Úteis

Por provincia

Assista a emissão em directo:

tvm1 smalltvm2 small