o-FIDEL-CASTRO-facebook.jpg

A urna contendo as cinzas do antigo líder de Cuba, Fidel Castro, vai hoje a enterrar no Cemitério de Ifigénia, em Santiago, local considerado berço da revolução cubana.

É o mesmo cemitério onde jazem os restos mortais de José Marti, herói da independência de Cuba.

Fidel Castro morreu aos noventa anos no dia 25 de Novembro último.

Esta cerimónia marcou o fim da Caravana da Liberdade, que durante 4 dias atravessou a Ilha de Cuba com a urna contendo as cinzas de Fidel Castro.

O cortejo fúnebre chegou este sábado a Santiago, ido de Havana, após percorrer 900 km.

Foi uma procissão em sentido contrário da marcha revolucionária que em Janeiro de 1959 levou o líder comunista ao poder.

Ao longo de todo o percurso, houve uma moldura humana a homenagear o homem que pôs fim à ditadura de Fulgêncio Baptista.

No discurso proferido neste acto, o Presidente cubano Castro disse que, por vontade expressa do seu irmão, nenhuma avenida, praça, monumento ou outro local público irá ostentar o nome de Fidel Castro.

Também não será erguida nenhuma estátua ou busto em memória do líder da revolução cubana.

Raul Castro prometeu submeter uma proposta de lei à Assembleia Nacional proibindo o culto de personalidade, uma prática a que Fidel Castro opôs com veemência.

O presidente de Cuba jurou defender a pátria e o socialismo, para honrar a memória de Fidel.

Acorreram às exéquias milhares de cubanos e vários líderes estrangeiros, em que se destacavam os presidentes da Venezuela, Nicolas Maduro, e da Bolívia, Evo Morales, além dos antigos presidentes brasileiros, Lula da Silva e Dilma Roussef.

Moçambique fez-se representar no último “adeus” ao antigo líder cubano através de uma delegação chefiada pelo antigo Presidente da república, Armando Guebuza.

A cerimónia terminou com a entoação do hino 26 de Julho, nome do movimento fundando em 1954 e que levou Fidel Castro ao poder.

mndlgrth.jpg

O hospital pediátrico mais moderno em África abriu ontem as portas para receber pacientes com diversas enfermidades incluindo cancro, rins, doenças pulmonares, peito e outras complicadas que afectam menores de idade.

Chama-se Nelson Mandela Children's Hospital construído em Joanesburgo com fundos de contribuições de organizações e personalidades de todo o Mundo, incluindo de Moçambique.

Graça Machel disse à TVFT que o seu sonho é o de ver uma infraestrutura similar em Moçambique para crianças. 

1000x563_351141.jpg

Foram minutos de grande tensão os que se viveram quando dois voos, o Lamia 2933, que transportava o Chapecoense e o Colombia 3020, que tinha sinalizado uma fuga, se cruzaram nos céus, sem se verem, pelas más condições de visibilidade.

A torre tentava fazer duas aterragens em segurança.Tudo basculou quando o piloto do Lamia, Miguel Quiroga, lançou o alerta:

“Senhorita, o Lamia 2933 está em falha total, falha elétrica total e de combustível.”

As comunicações terminaram depois do piloto do Lamia, tentar dizer, uma segunda vez, à torre onde se encontrava o aparelho que tinha já desaparecido dos radares. Mas foi o silêncio que se ouviu.
Esta quarta-feira, dia em que o Chapecoense e Atlético Nacional se defrontavam, na Colômbia, na primeira mão da final da Taça Sul-Americana, o estádio do clube de Santa Catarina encheu-se de gente. A homenagem estendeu-se a Medellín, casa daquele que seria o adversário.
A onda de solidariedade percorre o mundo e chega a Cristiano Ronaldo que vai doar 3 milhões de euros para ajudar o clube e as famílias das vítimas.

1000x563_351006.jpg

Seis anos depois da revolução, a Tunísia garante que está pronta para relançar a economia do país. E para atrair investimentos, está a decorrer uma grande conferência internacional com participantes de 70 países, para além do Banco Mundial. E já há resultados: o Qatar prometeu 1,25 mil milhões de dólares de ajuda e França confirmou o programa de assistência de mil milhões de euros até 2020.

Beji Caid Essebsi, presidente tunisino, garantiu que “a Tunísia tem infraestruturas avançadas e uma economia aberta e competitiva, integrada no mercado global. Ou seja, pode tornar-se num destino para o investimento e exportações dos mercados europeus, árabes e africanos”.

Recorde-se que depois da Primavera Árabe, para além dos problemas políticos e económicos internos, a Tunísia sofreu com a crise financeira internacional. E para piorar o cenário, os ataques terroristas ocorridos no ano passado afetaram de forma grave o turismo, uma das principais fontes de receitas do país.

Os investimentos estrangeiros diretos recuaram 7,6% este ano em comparação com 2010 e a taxa de desemprego está nos 15,5%.

1000x563_350907.jpg

A lutar contra uma enorme escassez de dólares a circular no país, o governo do Zimbabwe decidiu criar uma nova moeda, uma “nota de obrigação”. A nova divisa continua indexada ao valor o dólar americano, que é a moeda oficial do país desde 2009.

Mas esta medida não está a ser consensual no país: muitas pessoas acreditam que esta “nota de obrigação” vai acabar com poupança e desencadear a impressão de dinheiro descontrolada, tal como aconteceu em 2008 e levou à adoção do dólar.

“Este dinheiro deve ser aceitr por todos, porque é do governo, quem se recusa é claramente anti-governo e deve ser denunciado à polícia”, disse um morador de Harare. “Nós não precisamos da nova moeda, é claramente um roubo aos cidadãos. O que aconteceu com o dólar Zim é exatamente o que vai acontecer com esta moeda. Já nos roubaram o dinheiro real” diz um outro.

A introdução da “nota de obrigação” já está a provocar agitação social. A este problema de moeda juntam-se os atrasos no pagamento dos salários, elevado desemprego, grave escassez de alimentos e seca continuada.
As agências de notícias estão a dar conta de uma corrida em bancos à procura de moedas fortes.

PROGRAMAÇÃO DE TV

Câmbio do Dia

Moeda Compra Venda
EUR 74.03 75.51
USD 69.56 70.95
ZAR 5.18 5.28
Fonte: BCI, 16 de Março de 2017

Telefones Úteis

Por provincia

Assista a emissão em directo:

tvm1 smalltvm2 small