dhersturururu.jpg

Niassa acaba de formar 30 novos agentes polivalentes elementares de saúde.
Trata-se de pessoas idóneas recrutadas para reforçarem as actividades de prevenção e combate de algumas doenças tais como, malária, infecção respiratórias agudas e diarreias nas suas comunidades.

tjrsurur.jpg

Quatro pessoas morreram de Janeiro a está parte do ano no distrito de Mutarara em Tete, vítimas de ataques de crocodilos no rio Zambeze.
O caso mais recente aconteceu neste fim-de-semana, na vila de Nhamayabwe, sede distrital.
A vítima mortal foi um jovem de 25 anos de idade.

rtrutrutyutuu.jpg

Consumo de tubérculo silvestre supostamente tóxico leva a morte de nove pessoas, membros da mesma família no Niassa.
O incidente deu-se no Posto Administrativo de Etatara, distrito de Cuamba.
A polícia da Republica de Moçambique recolheu amostras do produto para análise no laboratório de criminalista em Nampula para avaliar a toxidade do tubérculo.

23397331.jpg

O ministro das Finanças de Moçambique admitiu hoje rever a previsão de crescimento de 5,3% para a economia neste ano, para um valor não explicitado, mas que ficará acima dos 3% previstos pelo FMI.

"Admitimos que possamos rever em baixa a previsão de crescimento para este ano, mas nunca para os níveis do FMI, que são bastante conservadores", disse Adriano Maleiane, em entrevista à agência Lusa, à margem dos Encontros da Primavera, que decorrem até hoje em Washington.

Na base desta revisão em baixa está, por exemplo, "a convicção de que a Vale está a reduzir as projeções que tinha para as exportações devido a alguns problemas, que são coisas que não estavam previstas na altura das nossas previsões", explicou o ministro, notando, no entanto, que "a projeção de 5,3% [de crescimento para este ano] tem realismo, mas também um fator mobilizador, algo que toda a sociedade devia continuar a pensar, a clareza está aí".

Sobre 2017, ano em que o FMI estima que a economia moçambicana tenha crescido 2,9%, Maleiane diz que o valor final será conhecido no final do próximo mês, mas que o mais provável é que o crescimento se situe entre os 3,4% e 4%.

"Os resultados efetivos do instituto oficial das estatísticas indicam que o país cresceu 3,7%, e se houver regularidade estatística, quando saírem os dados definitivo em maio, há um desvio 0,3 pontos para cima ou para baixo, portanto este é que é o ponto de partida para 2018", considera o governante.

Para Maleiane, "até é bom que haja alguém com uma visão pessimista para nos dar mais força e fazermos um pouco mais, porque a economia tem todas as condições para se levantar", até porque "Moçambique não pode viver de mão estendida, não faz sentido".

É verdade, admitiu, que "o corte no apoio [financeiro internacional] fez diferença, mas não pode ser o fim do mundo, e até pode ser a forma de cada um começar a perceber que tem de fazer pela vida, e não viver apenas na base do apoio que, sendo importante, vai mantendo a nossa capacidade de ser eternos dependentes".

naom_5720f01633530.jpg

O ministro das Finanças de Moçambique considerou hoje à Lusa que as previsões do Fundo Monetário Internacional sobre o aumento da dívida pública "são pessimistas", e que o país não vai endividar-se tanto este ano.

Em entrevista à Lusa, à margem dos Encontros da Primavera do FMI e do Banco Mundial, que decorrem até hoje em Washington, Adriano Maleiane exemplificou que "as projeções do FMI consideram que, como a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos precisa de financiamento de dois mil milhões de dólares com garantia estatal para participar no projeto do gás natural, na metodologia do FMI isso conta como aumento do endividamento".

O Fundo considera, na sua metodologia de análise das contas públicas, que como a garantia estatal pode ser acionada, o valor conta para o endividamento deste ano, mesmo que a garantia não seja acionada, o que eleva a previsão de dívida pública para 110% e 116% em 2018 e 2019.

"Como é uma empresa pública, colocam o valor como dívida, da mesma forma que puseram as garantias estatais dadas a duas empresas públicas que estão agora em discussão, mas não tem efeito na dívida, e sobe [nas previsões] por isso mesmo, mas não há previsão de nos endividarmos a este nível", vincou o governante na entrevista à Lusa.

Questionado sobre a ultrapassagem de todos os indicadores de sustentabilidade da dívida, que o FMI utiliza para aferir se Moçambique é elegível para empréstimos ao abrigo dos programas de apoio financeiro, Maleiane admite que o rácio da dívida face ao PIB é um indicador importante, mas sublinha que dá mais importância ao peso do serviço da dívida face às receitas e face às exportações, bem como ao rácio entre ao valor atual da dívida pública face ao PIB.

Como se chegou, então, a uma situação em que o país fura todos os limites de sustentabilidade da dívida? Para Maleiane, a resposta está em 2016: "em 2015 tínhamos todos os indicadores dentro dos parâmetros, mas em 2016 a descida da taxa de câmbio fez muita diferença na dívida em meticais, fez com que todos os indicadores ficassem acima dos limites".

O valor do metical face ao dólar piorou de 44, em 2015, para 81, "e só isso fez todos os indicadores ficarem fora do sistema", salienta o governante, apontando que "só com a recuperação do metical em 2017, sem fazer nada, já temos pelo menos um indicador dentro do limite, e todos os outros baixaram significativamente".

Mesmo assegurando que a dívida não sobe para os 110% e 116% que o FMI prevê para este e o próximo ano, Maleiane diz que a prioridade é manter as reformas para que os agentes privados consigam financiamento para fazer investimentos.

"Queremos que o setor privado vá ao mercado a preços mais acessíveis e o Estado se endivide pela via 'concessional', no Banco Mundial ou no Banco Africano de Desenvolvimento", diz, lembrando que "ainda há esta capacidade tendo em conta o rácio entre o valor presente da dívida e o PIB" e que "entre 2015 e 2019 [as instituições internacionais de crédito a preços mais baixos que os de mercado] vão pôr à disposição de Moçambique 1,7 mil milhões de dólares".

 

naom_5add6e30b7c5e.jpg

O presidente francês, Emmanuel Macron, inicia hoje uma visita de três dias a Washington, durante a qual deverá apelar ao Presidente norte-americano para que mantenha o acordo nuclear iraniano e o envolvimento dos EUA na Síria.

Trata-se da primeira visita de Estado a Washington desde que Donald Trump assumiu funções como Presidente dos Estados Unidos.

Segundo a Associated Press, a deslocação deverá ser sobretudo simbólica, não se esperando grandes avanços, mas Macron deverá tentar mitigar algumas das divergências entre os dois chefes de Estado.

Numa entrevista à Fox News publicada no domingo, Macron referiu-se a algumas dessas divergências: contestou as novas tarifas que Trump ameaçou impor a partir de 01 de maio, considerando que não se faz "guerra comercial com os aliados", e apelou a Trump para manter o acordo nuclear iraniano, argumentando que não há "plano B".

Trump prometeu retirar-se do acordo com o Irão até 12 de maio, a não ser que os negociadores norte-americanos e europeus concordem em reparar o que chamou de falhas sérias no documento, enquanto Macron é um dos maiores defensores daquele pacto.

Apesar das divergências, Macron disse que tem com Trump uma relação "muito especial", principalmente porque são políticos "inconformistas" e comprometidos com a luta contra o terrorismo islâmico.

E afirmou esperar que a sua visita a Washington "sirva para ressaltar a história comum entre ambos os países".

França é considerada o primeiro aliado dos EUA por ter ajudado o país a conquistar a independência face à Grã-Bretanha.

Macron pretende celebrar a aliança de longa data oferecendo a Trump um rebento de carvalho proveniente do local de uma das batalhas que envolveram tropas norte-americanas na I Guerra Mundial, a batalha da floresta de Belleau.

Trata-se de um sinal de gratidão pelos sacrifícios que a América fez pela França, mas também pode ser visto como um sinal da preocupação de Macron com o ambiente.

As alterações climáticas são aliás outro ponto de discórdia entre Trump e Macron desde que Trump anunciou a intenção de sair do acordo climático de Paris.

Momentos depois desse anúncio, Macron publicou um vídeo em inglês em que dizia, numa referência ao slogan de campanha de Trump: "Fazer o nosso planeta grande outra vez!".

naom_5ada21cb11ebe.jpg

De acordo com um novo estudo, indivíduos com um aperto de mão mais firme são mais eficazes na resolução de problemas, têm melhor memória e são mais inteligentes.

A pesquisa foi levada a cabo pela Universidade de Manchester, no Reino Unido, que analisou 475,397 indivíduos daquele país, e apurou ainda que as pessoas com um passou-bem mais forte alcançam melhores resultados em exames que testem as funções cerebrais em geral.

O estudo concluiu que na maioria da população um aperto firme está positivamente relacionado com uma melhor memória visual, uma maior capacidade de reação, de raciocínio, de memória numérica e prospetiva.

Como tal, a intensidade do passou-bem pode ser um indicador para os empregadores quando estão à procura de contratar funcionários mais competentes para as suas empresas.

Os investigadores tiveram em conta diferenças etárias, de género, o peso e educação dos voluntários, e esperam agora prosseguir com mais testes e análises. Querem num futuro próximo conseguir averiguar se a prática de exercício é de facto um bom método para aumentar o poder cerebral.

“Há uma ligação evidente entre a força muscular e a saúde da mente”, diz o coordenador do estudo, o professor e médico Joseph Firth.

Todavia, se não tem o aperto de mão mais forte do mundo, não se preocupe porque há solução.

O cientistas Geoffrey Beattie, diretor do departamento de psicologia daquela universidade, criou uma fórmula matemática que tem em conta certos passos que pode aplicar de forma a transmitir confiança e respeito para o recetor.

Os passos são estes: use a mão direita, aperte firmemente a mão do individuo (mas não com demasiada força); a palma da mão deve estar seca e não suada; dê aproximadamente três apertos, de vigor médio, mantenha o aperto entre dois a três segundos.

Deve também manter o contacto visual quando dá o passou-bem, e manter também um sorriso agradável e natural, juntamente com uma manifestação verbal adequada à situação.

assaltantes3provinciaskapella.jpg

 

Polícia da República de Moçambique neutraliza uma quadrilha de malfeitores que protagonizava assaltos com recurso a armas brancas em 6 cidades e vilas das províncias do Niassa, Nampula e Zambézia.

Durante a acção policial 2 elementos do grupo foram baleados e encontram-se internados no Hospital Rural de Cuamba, na província do Niassa.

 

 

palmareacentamentoanadarko.jpg

 

As quinhentas e cinquenta famílias que serão reassentadas, em Quitunda, para dar lugar a construção da fábrica de liquefacção de gás, na península de Afungi, no distrito de Palma, vão continuar a ter acesso ao mar.

O afastamento da população, em cerca de 3 quilómetros da sua principal fonte de subsistência era a grande preocupação da sociedade.

É uma garantia dada pela Anadarko que promete, igualmente, benefícios adicionais e atractivos na nova vila de reassentamento, em construção.

 

 

ifapasinhambane.jpg

 

O Governo abole os cursos iniciais nos Institutos de Formação em Administração Pública e Autárquica no país. 

A partir deste ano a escolas do Governo estarão viradas a integração, indução e capacitação dos gestores públicos em exercício.

 

 

PROGRAMAÇÃO DE TV

Câmbio do Dia

Moeda Compra Venda
EUR 69.51 70.91
USD 59.37 60.56
ZAR 4.77 4.86
Fonte: BCI, 27 de Maio de 2018

Telefones Úteis

Por provincia

Assista a emissão em directo:

tvm1 smalltvm2 small